UM DESEJO ESTRANHO AO CORPO — Girl (2018)

— DAVID LÉO LEVISKY —

Filme sensível e dramático, apresentado no festival de cinema de Cannes, Maio de 2018, retrata questões da atualidade que até pouco tempo atrás ficavam reprimidas ou eram vividas por meio de mitos ou dramatizadas nas artes, no teatro, nas danças: a transexualidade. Comum no Carnaval brasileiro, homens e mulheres, mais homens do que mulheres, se travestem de forma lúdica nessa festa popular, representando o outro sexo que não o anatômico, em geral de forma satirizada. 

Os progressos da contemporaneidade ligados às técnicas médicas e à maior liberação de valores éticos, morais e religiosos têm facilitado que um certo número de jovens busque transformar seu corpo anatômico, identidade de gênero, aparentemente definido geneticamente, em uma outra identidade corporal. Mediante um conjunto de processos médicos, cirúrgicos, psicológicos sentem e acreditam que tal transformação lhes trará maior aceitação corporal e integração social. Sentem e acreditam que a realidade do seu imaginário corresponde à sua autêntica identidade psicológica corporal. 

O filme retrata a vida de Lara, um garoto que renega sua identidade masculina e busca por meio da dança, de recursos médicos e psicológicos preparar seu corpo para que possa ser submetido a uma cirurgia que levará à ablação dos testículos, do pênis e a construção de uma neo-vagina. O rígido preparo para ser bailarina, a percepção das diferenças em relação ao grupo de meninas, colegas de dança, a curiosidade delas em relação às diferenças corporais, os conflitos relacionais vividos durante esse processo transmitem as angústias e os esforços feitos por Lara para adequar sua personalidade aos seus desejos de vir a ser mulher.

Ao lado dos problemas inerentes à adolescência — reestruturação narcísica, desenvolvimento dos mecanismos de defesa prevalentes, luto pela perda das imagens do corpo e dos pais da infância, busca de definição dos diversos aspectos que compõem a identidade adulta, auto-afirmação, encontro de novos objetos amorosos — o filme parte de uma situação estabelecida, o desejo de mudança de sexo. Porém, o diretor do filme não retrata o desenvolvimento nem o processo histórico-biográfico que contribuíram para a emergência de tais sentimentos precoces na vida de Lara. A mãe ausente — morta ou que abandona a filha — não é mencionada no filme. O pai, muito tolerante ou resignado, aceita e colabora na realização dos desejos de Lara que, em certos momentos, parece ocupar o papel de esposa e mãe da irmã menor que, nas horas de irritação chama-a pelo nome original. 

Muito bem representado e dirigido, “Girl” abre a discussão para questões éticas importantes: teria uma criança recursos internos, emocionais, cognitivos e sociais para impor seus desejos de querer alterar, definitivamente, o seu corpo? Até onde interesses científicos, ideias de liberalização dos desejos, interesses econômicos promovem e estimulam a concretização de fantasias? Abre-se aqui um vasto campo para a investigação psicanalítica em níveis intra, inter e transubjetivos. 

É preciso ficar atento para não cairmos em uma visão moralista uma vez que o viver se caracteriza por contínuas transformações que ocorrem em diferentes níveis e velocidades. O peso da cultura e das demandas sociais ao interagirem com as demandas individuais são fatores que promovem a busca de transformação. 

A curiosidade científica expressa essa busca consciente e inconsciente diante dos enigmas que compõem a vida, estimuladas por fantasias que emergem do inconsciente individual e grupal na busca da concretização dos desejos na realidade objetiva. 

AUTOR
David Léo Levisky
Médico Psiquiatra \ Analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP) com especialização na infância e na adolescência (IPA) \ PhD em História Social \ Vários livros publicados \ Co-autor do Dicionário de Psicanálise de Casal e Família.
E-mail —davidlevisky@gmail.com

TRAILER

FICHA TÉCNICA
Título inglês — Girl
Título português — O sonho de Lara
Ano — 2018 
Duração — 106’
País — Bélgica e Holanda
Realização — Lukas Dhont
Argumento —Lukas Dhont e Angelo Tijssens
Produção — Dirk Impens
Fotografia — Frank van den Eeden
Edição — Alain Dessauvage
Música — Valentin Hadjadj
Elenco — Victor Polster, Arieh Worthalter, Oliver Bodart, Katelijne Damen, Valentijn Dhaenens, Tijmen Govaerts

SINOPSE
Lara, transexual de quinze anos, quer tornar-se bailarina profissional. O pai ajuda-a na busca de uma prestigiada academia de dança onde a exigência e as frustrações complicam-se frente às limitações do seu corpo.